Além do azul do céu - Nora Roberts

Comprei esse livro no metrô, na máquina que vende livro dentro no metrô na cidade de São Paulo. Facilita aguentar as viagens super longas e dentro dos túneis não tem nada para ficar admirando nas janelas, então melhor a fazer é ler. 
Li e assisti histórias de romances de um passado e vão para o futuro, mas nesse livro é o contrário. Caleb sai do futuro e vem para ser o presente de Liberty. Conclusão: Libby tem seu presente para o Caleb, e Caleb tem o futuro para Libby. Li até a última página imaginando como seria o final, e foi um final que só aparece no último parágrafo.   Ouvi a música do Sting - Every Breath You Take , e o refrão me fez lembrar a necessidade que Caleb aprendeu a sentir depois que conheceu Libby.  Resumo da contracapa: Caleb Hornblower precisava voltar para o século XXIII, ao qual pertencia. Porém, esse não era o seu maior problema. Desde que ficara preso no século XX, fora acolhido pela encantadora antropóloga Libby Stone, e seu coração se tornara parte daquele espaço e daquele tempo. Mesmo pertencendo ao futuro, seria Caleb capaz de abandonar Libby e deixar o passado no seu devido lugar?

Arrebatado pelo Mar

"Estava a andar pelo bairro, o meu livro me chamou, pra ver sua história passar e ficar feliz outra vez..."
Passei na frente de um sebo pertinho da minha casa e na primeira prateleira estava o meu primeiro livro lido a muitos anos atrás, quando ainda existia a biblioteca do metrô. Acho que já passaram quase dez anos que eu li esse e o restante da quadrilogia.  Naquele tempo eu não comprava livros, só lia os emprestados da biblioteca do metrô porque no metrô é fácil ter tempo de ler livros. Eu peguei emprestado o segundo livro da série, depois o terceiro, depois o primeiro e por último o quarto livro. Amei ler assim, tudo fora de ordem. Por anos, eu pesquisei para comprar, mas são muito caros os livros da Nora Roberts... e quando eu vi esse por quinze reais no sebo do bairro, tive que comprar porque a história é uma das favoritas que eu guardarei com carinho para sempre na minha memória e agora na minha estante.

Feira troca livros 2017

Calendário das feiras para troca de livros nos parque de São Paulo capital

12 de março - Parque Buenos Aires

30 de abril - Parque Cidade de Toronto

28 de maio - Parque do Piqueri

24 de junho - UNIBES Cultural

30 de julho - Parque da Aclimação

27 de agosto - Parque do Carmo

24 de setembro - Parque Independência
               
29 de outubro (sujeito a alteração) - Museu MASP - Vão Livre

26 de novembro - Parque Ibirapuera Portão 7 – Próximo ao Viveiro Manequinho Lopes – ao lado do Bosque da Leitura - Vila Mariana

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas/servico_de_extensao_csmb/index.php?p=19764

Indomável Rafe - Suzanne Enoch

 Esse livro eu comprei na banca de jornal, mas a banca que eu comprei vende revistas e livros usados. Romance histórico, da editora nova cultura, autora conhecida de outras leituras, vi a capa e o resumo da história então levei mas não li muito rápido não... eu demorei e muito.
Ontem fiquei no sofá, com a televisão ligada porque meu marido estava assistindo, enquanto eu lia a parte final do livro que ficou mais interessante depois que Rafe e  Felicity pediram ajuda para enfrentar o amor que sentiam. Rafe pediu ajuda para sua família distante, mas a família não aceitou dar o dinheiro e ir embora, o irmão e o pai apareceram na casa, talvez para terem certeza que Rafe estava realmente fazendo algo consistente e benéfico para alguém como Felicity, uma mulher prática, corajosa e espontânea.
Rafe desistiu de ir para China, por causa de tudo o que aos poucos conquistou com grande esforço e insitência, pouco dinheiro mas muito amor por alguém que conheceu com conversas, trocas de olhares e pouquinhos beijinhos...
Felicity desistiu de sumir no mundo junto com a sua irmã May, para ficar no lugar que ela sempre amou e com quem ela aprendeu a amar.
Permanecer no lugar onde nasci, estava complicado... até eu conhecer meu marido. Hoje percebo que estar com ele  e faze-lo feliz é mais importante. Aprender a amar é todos os dias uma tarefa difícil e complicada. Mas a recompensa é ver eu mesma diferente, capaz e inteligente.
Felicity e Rafe perceberam isso. Rafe viu sua casa, construiu os cômodos e se sentia bem em pensar que queria estar alí todos os dias para sempre com Felicity...  e sua irmã e amiga May.

Sonhos de Bárbara Delinsky

Faz muito tempo que comecei a ler esse livro, mas não demorei tanto por conta da história que na verdade são três.  Demorei por que esquecia de ler , algo que gosto tanto de fazer mas não fiz. Estranha essa mania de não fazer o que gostamos😜.  O livro é muito interessante, com 3 casais principais e o personagem principal é a  mansão que passava por reformas enquanto os romances surgiam. A última história foi a minha favorita...até chorei😢.

BIENAL 2016

Ainda não pesquisei muito sobre a bienal desse ano. Depois de tantas vezes ir na bienal, parece que a próxima não será melhor que a anterior... mas isso não é verdade. Eu gosto de ler, de ver o livro, de abrir, de cheirar, de acariciar a capa... enfim, ir na bienal mais uma vez não será igual as outras.

A revolução do voluntariado

a revolução do voluntariado
Livro lido por sugestão da igreja que frequento e gosto de participar como voluntária.  Resumindo o que li, entendo que a igreja pode fazer muito pela comunidade se aprender a contar com as pessoas, se aprender a entender que um empregado da igreja pode contar com colaboradores voluntários e a exigir desses um bom serviço.  Eu já trabalhei em escolas, em escritórios, e em comércios, e cada ambiente tem suas características. Trabalhar na igreja, como voluntário,  exige um tempo e disposição que nesse livro pude aprender, também compreendi que todos, desde os atendentes até o pastor devem aceitar o voluntário como um participante ativo na igreja, que é capaz de ajudar, receber e cumprir qualquer tarefa. Pessoas que trabalham em qualquer lugar como voluntária, esperam receber algo em troca... gostamos de ver que estamos fazendo algo real, e sentimos que é real quando simplesmente alguém agradece.